Nome: Mário Jorge Pereira de Almeida Carvalho

 

Áreas de investigação: Filosofia Antiga, Ontologia, Ética, Fenomenologia, Antropologia Filosófica, Idealismo Alemão, Filosofia Contemporânea.


Graus Académicos:

2007 – Agregação no grupo de disciplinas de Filosofia, disciplina de Filosofia Antiga, U.N.L., F.C.S.H., por unanimidade.

1997 – Doutoramento em Filosofia. Especialidade: Filosofia Geral. U.N.L., F.C.S.H., Classificação: Muito Bom por unanimidade com Distinção e Louvor.

1988 – Mestrado em Filosofia Contemporânea, U.N.L., F.C.S.H. Classificação: Muito Bom por unanimidade.

1986 – Conclusão da parte curricular do Mestrado em Filosofia Contemporânea, U.N.L., F.C.S.H. Classificação final: 20 valores.

1983 – Licenciatura em Filosofia, Faculdade de Filosofia, Universidade Católica Portuguesa. Classificação final: 18 valores.

 

Bolsas:

Semestre de Verão de 1983, Bolseiro do Governo Austríaco para trabalho de investigação sobre Franz Brentano na Universidade de Viena.

 

Agosto-Novembro de 1988, Bolseiro do Governo Belga para trabalho de investigação nos Archives Husserl (Centre d’Études Phénoménologiques) da Université Catholique de Louvain.

 

Setembro de 1989 - Agosto de 1991, Bolseiro do Deutscher Akademischer Austauschdienst para trabalho de investigação na Albert-Ludwigs-Universität Freiburg im Breisgau.

 

Carreira Académica:

1999 - Professor Associado do Departamento de Filosofia, F.C.S.H., U.N.L.
1997 - 1999: Professor Auxiliar do Departamento de Filosofia, F.C.S.H., U.N.L.
1988 - 1997: Assistente do Departamento de Filosofia, F.C.S.H., U.N.L.
1984 -1988: Assistente Estagiário do Departamento de Filosofia, F.C.S.H., U.N.L.

 


Actividade Docente:

2020/2021: 1º ciclo: Ontologia; Temas de Antropologia Filosófica: O caleidoscópio de

                   “Erôs” no Symposium de Platão.

                   2º ciclo: Questões de Ontologia: O labirinto do espanto (“thaumazein”) e as

                   suas implicações ontológicas.

                   Questões de Ética: Três concepções do imperativo categórico:

                   Kant, Fichte, Hegel.                  

 

2019/2020: 1º ciclo: Ontologia; Filosofia da Religião: Os outros numa óptica não-ética,

                   ética e religiosa.

                   2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: No espelho do Fedro de

                   Platão

                   Questões de Ontologia: A Wissenschaftslehre nova methodo e a Neue

                   Bearbeitung de Fichte

 

2018/2019: 1º ciclo: Ontologia; Temas de Ontologia: Realidade e resistência – uma

                    “viagem de exploração” filosófica.

                    2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica:

                    Vida humana e conhecimento – o Teeteto de Platão.

                     A  “micro-polis” e a “mega-psyche” – a dupla comparação platónica e a

                     antropologia subjacente. 

                     Questões de Ontologia: Kant e a questão da metafísica.

 

2017/2018: 1º ciclo: Ontologia; Temas de Ontologia: “Life Iself”: Estruturas ontológicas

                     em V. Woolf

                     2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica:   Questões e ideias

                     antropológicas em Marco Aurélio, Ta eis heauton.     

                     Questões de Ontologia: Três concepções de espaço e tempo: Kant,

                     Maimon, Fichte.

 

2016/2017: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: A Bestimmung des

                  Menschen de Fichte.     

                  Questões de Ontologia: Questões filosóficas sobre o “hou heneka”:

                  Platão, Hegel, Heidegger.

 

2015/2016: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: O caleidoscópio de ἔρως no

                  Symposium de Platão.                   

                  Questões de Ontologia: Confusão – um protagonista fácil de esquecer no

                   pensamento ontológico.

 

2014/2015: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                   2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: Alternativas e Misturas –

                   o Filebo de Platão.

                   Questões de Ontologia: Os Beiträge de Dilthey – uma viragem?

 

2013/2014: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: O Górgias de Platão –

                  labirinto e fio(s).

                  Questões de Ontologia: Kant e a questão da metafísica.

 

2012/2013: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica Leituras da Fenomenologia

                  do Espírito de Hegel.

                  2º semestre: Licença Sabática.

 

2011/2012: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica Leituras da Fenomenologia

                   do Espírito de Hegel.

                   Questões de Ontologia: Imagens.

 

2010/2011: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                   2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica “Para-mim” (sc. “para-ti”):

                   conceitos e fenómenos.

                   Questões de Ontologia: Kant e a ontologia crítica.

 

Setembro de 2010:

                   Lições sobre o tema “Kant und das Bathos de Erfahrung”/“Kant et

                   le Bathos der Erfahrung” como Professor Convidado no âmbito do

                   Mestrado Europhilosophie/Erasmus Mundus, Universidade de

                   Toulouse-le Mirail.

 

2009/2010:  1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                   2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: Do Humano como Síntese – 

                   Platão.

                   Questões de Ontologia: Categorias fundamentais da vida fáctica –

                   Heidegger, Phänomenologische Interpretationen zu Aristoteles: Einführung

                   in die phänomenologische Forschung.

 

2008/2009: 1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                  2º Semestre – Licença Sabática.

 

2007/2008:  1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica.

                   2º ciclo: Questões de Antropologia Filosófica: A determinação fundamental

                   do humano como “ἔρως” no discurso de Sócrates/Diotima.

                   História da Ética: Kant e a questão da possibilidade de uma ética crítica

 

2006/2007:  1º ciclo: Ontologia, Antropologia Filosófica, Temas de Ontologia.

                   2º ciclo: História da Ética: Kant e a questão da possibilidade de uma ética

                   Crítica

 

2005/2006:  Ontologia I e Ontologia II.

                   Filosofia Contemporânea I.

                   Mestrado/Curso de Doutoramento:

                   Fenomenologia:Sobre si mesmo – aproximações a partir de Platão.

 

2004/2005:  1º semestre: Ontologia I

                   2º semestre: Licença Sabática.

 

2003/2004: Ontologia I e II

                  Mestrado/Curso de Doutoramento:

                  2º semestre; Fenomenologia IV-  O problema da perspectiva em Swift: “As

                  Viagens de Gulliver”.

 

2002/2003:  Ontologia I e II

                   Mestrado/Curso de Doutoramento:

                   1º semestre: Filosofia do Conhecimento II: As ilusões do Cogito.

                   2º semestre: Filosofia Antiga VI: Os problemas de Édipo.

 

2001/2002: Ontologia I e II

                  Mestrado/Curso de Doutoramento:

                  1º semestre: Filosofia Antiga IV- Platão-Interpretação do Symposium.

                  2º semestre:Filosofia Antiga V- Platão-Interpretação do Symposium.

 

2000/2001:  Mestrado/Curso de Doutoramento:

                  1º semestre: Filosofia Antiga III: A inquietação de si nas análises de

                   Platão.

                   1º semestre: Mestrado em Filosofia da Educação: Pressupostos

                    antropológicos da ideia de educação.

                   2º semestre: Licença Sabática

 

1999/2000:  Ontologia I e II

                    Mestrado/Curso de Doutoramento:

                    1º semestre: Antropologia Filosófica I: Problemas de perspectiva a partir

                     de Platão.

                     2º semestre:Antropologia Filosófica II: Problemas de perspectiva a partir

                     de Aristóteles.

 

1998/1999:   Ontologia I e II

                     Mestrado:

                     1º semestre: Idealismo Alemão II:A filosofia como crítica – Kant.

                     2º semestre:Filosofia Antiga II:Platão – Interpretação do Symposium.

 

1997/1998:   Ontologia I e II

                    Opção: Filosofia da vida– análises fenomenológicas a partir de “As Ondas”

                    de Virginia Woolf.

 

1996/1997:  Ontologia

                   Opção: Ontologia fenomenológica– Φιλοσοφεῖν/Wille zur Wahrheit  – o

                   problema da vontade de verdade em Platão e Nietzsche.

 

1995/1996:   Ontologia

                    Opção:Ontologia III– Leituras de Johannes Climacus.

 

1994/1995:   Ontologia

                    Opção:Ontologia II– “De docta ignorantia” de Platão a Nicolau de Cusa.

 

1993/1994 – com equiparação a bolseiro

 

1992/1993:   Ontologia

                    Opção: Ontologia II: A analítica existencial-temporal do “Dasein” como

                    “ontologia fundamental”.

 

1991/1992:   Ontologia

                    Opção: Filosofia Antiga II: Aspectos da identificação do Humano em Platão

 

1989/1990 e 1990/1991: com equiparação a bolseiro

 

1988/1989:   Ontologia

                    Opção – Idealismo Alemão: Husserl – Teoria da redução fenomenológica.

 

1987/1988:   Ontologia

 

1986/1987:   Ontologia  

                    Opção – A fenomenologia do “1º Heidegger” e o problema ontológico

 

1985/1986:   Ontologia  

                    Filosofia Contemporânea

 

1984/1985:  Ontologia

                    Opção – Idealismo Alemão: Problemas fundamentais da filosofia de Kant e

                    Fichte

 

 

Seminários dirigidos em regime de curso livre:

 

A)   Seminários de tradução de textos filosóficos em alemão:

 

2020/2021: J. G. FICHTE, Wissenschaftslehre nova methodo.

2019/2020: J. G. FICHTE, Ueber den Begriff der Wissenschaftslehre oder der sogenannten Philosophie.

2018/2019: F. SCHLEGEL, Kritische Fragmente, Athenäums-Fragmente.

2017/2018: F. SCHLEGEL, Kritische Fragmente, Athenäums-Fragmente.

2016/2017: M. HEIDEGGER, Die Grundbegriffe der Metaphysik. Welt Endlichkeit Einsamkeit (GA 29/30).

2014/2015: M. POHLENZ, Grundfragen der stoischen Philosophie (conclusão).

                  R. BEES, Die Oikeiosislehre der Stoa 1 Rekonstruktion ihres Inhaltes-

2013/2014: M. POHLENZ, Grundfragen der stoischen Philosophie.

2012/2013: A. SCHMITT, Die Moderne und Platon. Zwei Grundformen europäischer Rationalität.

2011/2012: SCHOPENHAUER, Über die vierfache Wurzel des Satzes vom zureichenden Grunde. Eine philosophische Abhandlung.

2010/ 2011: DILTHEY, Beiträge zur Lösung der Frage vom Ursprung unseres Glaubens an die Realität der Außenwelt und seinem Recht.

2009/2010: DILTHEY, Beiträge zur Lösung der Frage vom Ursprung unseres Glaubens an die Realität der Außenwelt und seinem Recht.

2003/2004: I. KANT, Reflexionen zur Logik (AA XVI).

2002/2003: M. HEIDEGGER, Sein und Zeit.

2001/2002: G. SIMMEL, Soziologie.

1999/2000 Julho, Setembro-Dezembro: M. SCHELER, Zur Philosophie der Wahrnehmung(Erkenntnis und Arbeit, Gesammelte Werke, 8)

1999/2000  I. KANT, Metaphysik Volckmann (A.A. 28.1), SCHELER, Die Idole der Selbsterkenntnis(Gesammelte Werke, 3).

1995/1996: M. HEIDEGGER, Sein und Zeit.

1994/1995: E. HUSSERL, Zur Phänomenologie des inneren Zeitbewusstseins (1893-1917)  (Husserliana X).

1988/1989: S. MAIMON, Versuch über die Transcendentalphilosophie (Gesammelte Werke, II).

1987/1988: E. HUSSERL, Ding und Raum(Husserliana XVI) – conclusão

                  M. SCHELER, Schriften aus dem Nachlass II Erkenntnislehre und

                  Metaphysik (Gesammelte Werke, XI).

1986/1987: E. HUSSERL, Ding und Raum (Husserliana XVI).

 

B)   Seminários de tradução do grego antigo:

 

2020/2021, Anaxágoras, Os fragmentos (A e B).

2018/2019: Hiérocles, Elementa Ethica (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra) –conclusão.

2017/2018: Hiérocles, Elementa Ethica (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2016/2017: Hiérocles, Elementa Ethica (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2015/2016 (2º semestre): Platão, Gorgias.

2014/2015 (1º semestre): Hiérocles, Elementa Ethica (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

2012/2013 (1º semestre): Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.): conclusão.

2011/2012: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

2010/ 2011: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

2009/2010: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2008/2009: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

2007/2008 (2º semestre): PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

1998/1999 (1º semestre): SÓFOCLES, Antigone / (2º semestre) Oedipus Coloneus.

1997/1998 (2.º semestre): SÓFOCLES, Ajax.

1995/1996: PLATÃO, Philebus (conclusão).

1994/1995: PLATÃO, Philebus.

1993/1994: SÓFOCLES, Oedipus Rex(seminário de tradução e de interpretação).

                    PLATÃO,Phaedo.

1992/1993: PLATÃO, Phaedrus, Sophista, Theaetetus.

1991/1992: PLATÃO, Respublica (V-VII), Symposium.

1988/1989: PLATÃO, Parmenides, Respublica (I-III)

1987/1988: PLATÃO, Politicus, Timaeus.

1986/1987: PLATÃO, Theaetetus, Phaedrus, Sophista

 

C)   Seminários de tradução de textos filosóficos em latim:

 

2020/2021: S. Do COUTO, De Signis.

                  P. NUNES, Tractatus de spahera.

2019/2020: SÉNECA, De ira (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2018/2019: SÉNECA, De ira (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2017/2018: SÉNECA, De ira (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2016/2017: CÍCERO, De natura deorum (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra).

2015/2016: AGOSTINHO, Enarrationes in Psalmos (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra)

2011/2012: CÍCERO, De fato, SÉNECA, De constantia sapientis, De clementia.

2010/ 2011: C. CRUSIUS, Dissertatio philosophica de vsv et limitibvs principii rationis determinantis vvlgo sufficientis (conclusão).

2009/2010: C. CRUSIUS, Dissertatio philosophica de vsv et limitibvs principii rationis determinantis vvlgo sufficientis, LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis (no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

2008/2009: LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis.

2007/2008: LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis (no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.).

1992/1993: JOÃO CASSIANO, De institutis coenobiorum et de octo principalium vitiorum remediis.

1988/1989: KANT, De mundi sensibilis atque intelligibilisforma et principiis.

 

 

Colaboração em seminários livres:

 

2008/2009 e 2009-2010: Colaboração no Seminário Permanente sobre Kierkegaard organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra juntamente com o Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H. e dirigido pelo Prof. Doutor Nuno Ferro.

 

 

Conferências, Intervenções em Colóquios, Trabalhos, etc.:

  

A fábula 220 de Higino: Pistas para um retrato de outro ângulo

 

Comunicação apresentada ao colóquio “Para uma história do cuidado – conceitos e problemas”, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, para comemoração do 60º aniversário do Prof. Dr. Nuno Ferro, e que teve lugar em regime de teleconferência.

28.2.2021

 

 

 

Uma faceta menos escrutinada do “corpus platonicum” – o conceito de cuidado no Politicus

 

Comunicação apresentada ao colóquio “Para uma história do cuidado – conceitos e problemas”, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, para comemoração do 60º aniversário do Prof. Dr. Nuno Ferro, e que teve lugar em regime de teleconferência.

27.2.2021

 

 

 

O caleidoscópio do μεταξύ na República de Platão

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, em regime de teleconferência

 

26 de janeiro de 2021

 

1ª sessão

2ª sessão

 

29 de Janeiro de 2021

 

3ª sessão

4ª sessão

 

2 de Fevereiro de 2021

 

5ª sessão

6ª sessão

 

5 de Fevereiro de 2021

7ª sessão

8ª sessão

 

 

 

Sobre a “suspensão teleológica do Ético” e outros problemas

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, em regime de teleconferência 

1ª sessão

14 de Julho de 2020 

2ª sessão

16 de Julho de 2020

3ª sessão

20 de Julho de 2020

 

 

 

Multiplicidade qualitativa, multiplicidade quantitativa e "densificação" do não-eu (Fichte, Wissenschaftslehre nova methodo)

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, em regime de teleconferência

1ª sessão

14 de Julho de 2020

2ª sessão

16 de Julho de 2020 

3ª sessão

17 de Julho de 2020

 

 

 

A peculiar 'aritmética' da alteridade:

Pirandello, Uno, Nessuno, Centomilla 

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra (em regime de teleconferência)

1ª sessão

3 de Abril de 2020

2ª sessão

17 de Abril de 2020

3ª sessão 

24 de Abril de 2020

4ª sessão

16 de Maio de 2020

 

 

 

Platão: Escalas

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra e que teve lugar na F. C. S. H. da U. N. L.

1ª sessão

4 de Fevereiro de 2020

2ª sessão

5 de Fevereiro de 2020

3ª sessão 

6 de Fevereiro de 2020

 

 

 

Idealismo transcendental y prejuicio

 

Comunicação apresentada no quadro das "Jornadas sobre el Sistema del idealismo transcendental de Fr. W. J. Schelling", organizadas pela Facultad de Filosofía de la Universidad Nacional de Educación a Distancia, e que tiveram lugar em Madrid, na UNED, entre 15 e 17 de Janeiro de 2020;

 

 

 

Fichtes pars totalis um 1800

 

Comunicação apresentada ao colóquio Selbstbewusstsein und Absolutheit. Der Umbruch in Johann Gottlieb Fichtes Denken um 1800, conjuntamente organizado pela Internationale Johann Gottlieb Fichte-Gesellschaft, pelo Philosophisches Institut der Friedrich-Schiller-Universität Jena, pelo Internationales Fichte-Forschungszentrum (Universität Wuppertal) e pela Universidad Nacional de Educación a Distancia (Madrid), colóquio que teve lugar na Friedrich-Schiller-Universität Jena, em 10 e 11 de Janeiro de 2020:

 

 

 

What It Takes to Make a Thing (Fichte, Grundriss des Eigenthümlichen der Wissenschaftslehre)

 

Comunicação apresentada ao Vº Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos sobre Fichte (Eu - Imagem – Ser), que teve lugar na Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, entre 12 e 14 de Novembro der 2019;

 

 

 

Je, moi, les autres

 

Comunicação apresentada ao Colóquio “Pascal: Je, moi, les autres”, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H. da U.N.L. em 22 e 23 de Julho de 2019;

 

 

 

The Odyssey of the “Through” (“das Durch”)

 

Comunicação apresentada ao “Fourteenth Biennial Meeting of the North American Fichte Society: Fichte’s 1804 Wissenschaftslehre”

Xavier University Cincinnati, Ohio

May 22-24, 2019;

 

 

 

Eine Art Ariadnefaden (WLnm §§9-10)

 

Comunicação apresentada à “Internationale Tagung: Fichtes Entdeckung der Subjektivität III – Die Wissenschaftslehre nova methodo 1798“, conjuntamente organizada pela Internationale Fichte-Gesellschaft, pela Internationale Schelling-Gesellschaft, pela Università degli Studi di Ferrara e pelo Lehrstuhl für Theoretische Philosophie und Phänomenologie der Bergischen Universität Wuppertal,

Schloss Rammenau, Rammenau, 17.-19. Mai 2019;

 

 

 

Some Heretical Remarks on σῶμα and ψυχή

 

Conferência proferida em Sófia, no Departamento de Estudos Mediterrâneos e Orientais da Universidade Nova da Bulgária (Нов български университет), em 7 de Março de 2019;

 

 

 

Uma versão “biológica” da “doutrina transcendental dos elementos”? Aspectos fundamentais da “Biologia Teórica” de J. von Uexküll

 

Comunicação apresentada no Colóquio “Estruturas fundamentais do cuidado: vida, percepção, significado e mundo segundo J. von Uexküll  I”, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 22 de Fevereiro de 2018;

 

 

 

 “Πολιτεῖαι”: Unidade e multiplicidade da “micro-πόλις” e da “macrο-ψυχή” na República de Platão

 

Workshop organizada pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra e que teve lugar na F. C. S. H. da U. N. L em 4, 6 e 8 de Fevereiro de 2019;

 

 

 

The Circles of Care – A Stoic Approach

 

Comunicação apresentada ao “IEF First International Colloquium: Roads to Care”, October 10th-12th 2018,

Institute for Philosophical Studies (IEF) Faculty of Arts and Humanities

University of Coimbra;

 

 

 

Vorstellung und Darstellung

 

Comunicação apresentada ao “X. Kongress der Internationalen J.G. Fichte-Gesellschaft

(Gefühl – Natur – Intersubjektivität. Fichtes Realitätsverständnis.)”, congresso que teve lugar em Aix-en-Provence, Université de Provence Aix Marseille, entre 4 e 6 de outubro de 2018;

 

 

 

Mudanças do modo de pensar nos §§ 1-10 da Wissenschaftslehre nova methodo de Fichte

Workshop

F.C.S.H., U.N.L.

§§1-4

27.6.2018;

§§5-6

28.6.2018; 

§§ 7-10

2.7.2018;

 

 

 

§ 4 Grundlage des theoretischen Wissens (a) A-D.

 

Comunicação apresentada à „Internationale Tagung: Fichtes Entdeckung der Subjektivität – Die Grundlage der gesammten Wissenschaftslehre 1794/95“, conjuntamente organizada pela Internationale Fichte-Gesellschaft, pela Internationale Schelling-Gesellschaft, pela Università degli Studi di Ferrara, pelo Lehrstuhl für Theoretische Philosophie und Phänomenologie der Bergischen Universität Wuppertal e pela Universidad Nacional de Educación a Distancia, Madrid

Schloss Rammenau, Rammenau, 25 - 27 de Maio de 2018

 

 

 

Mit Kant gegen Kant: Fichtes Anschauungsbegriff in der Wissenschaftslehre nova methodo

 

Conferência proferida em Quioto, na Universidade Doshisha (同志社大学), em 3 de Março de 2018;

 

 

 

Perception, Extension and Space: Fichte’s Final Brush Strokes on Kant’s Canvas

 

Conferência proferida em Osaca, na Universidade de Osaca (大阪大学), em 1 de Março de 2018;

 

 

 

Fichte über die Rolle des praktischen Vermögens als "unsichtbaren Faktors" des Bewusstseins

 

Conferência proferida em Tóquio, na Universidade Sophia (上智大学), em 27 de Fevereiro de 2018;

 

 

 

Eigne Meditationen über ElementarPhilosophie (79-98)

 

Comunicação apresentada à Internationale Tagung: Fichtes Entdeckung der Subjektivität – Der Beginn des Deutschen Idealismus in Fichtes erstem Systementwurf in den nachgelassenen Manuskripten: Eigne Meditationen über ElementarPhilosophie und Practische Philosophie (1793/94) – colóquio organizado pela Internationale Fichte-Gesellschaft, pela Internationale Schelling-Gesellschaft e pelo Institut für Transzendentalphilosophie und Phänomenologie an der Bergischen Universität Wuppertal.

Wittenberg, Leucorea (Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg)

19-21. 1. 2018

 

 

  

Ἐπιμελεῖσθαι and ᾄττειν in the Alcibiades Major

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional ‘Like a Pebble in a Pond: The Alcibiades Maior’, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra e que teve lugar na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 19 de Dezembro de 2017

 

 

  

“Die Kunst, unaufhörlich fortzumeinen”: Fichtes Kritik des „leeren formalen Wissens“ (Grundzüge des gegenwärtigen Zeitalters)

 

Comunicação apresentada à „Internationale Tagung J. G. Fichtes Grundzüge des gegenwärtigen Zeitalters: Geschichte und Gegenwart aus philosophischem Blickwinkel“

26. - 28. Oktober 2017, Staatliche Universität Sankt Petersburg

 

 

 

Cuidado(s) de outrem(ns)

Comunicação apresentada no Ciclo de Seminários ΕΠΙΜΕΛΕΙΑ – Cuidado: conceitos e problemas, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, sessão de 20 de Julho de 2017;

 

 

 

 O caso de "tutela" & Cia

Comunicação apresentada no Ciclo de Seminários ΕΠΙΜΕΛΕΙΑ – Cuidado: conceitos e problemas, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, sessão de 13 de Julho de 2017;

  

 

 

Transcendência e οὗ ἕνεκα em Vom Wesen des Grundes de Heidegger.

Workshop

F.C.S.H./U.N.L.

3 de Julho de 2017;

5 de Julho de 2017;

7 de Julho de 2017.

 

 

Space, Time, Perception and Reproduction: Fichte’s Final Brush Strokes on Kant’s Canvas

 

Comunicação apresentada ao “Thirteenth Biennial Meeting of the North American Fichte Society: On Kant and Fichte”

Sogang University, Seoul, South Korea, May 24-27, 2017;

 

  

Fichtes Eigne Meditationen über ElementarPhilosophie: 79-98

 

Comunicação apresentada ao Colóquio: Fichtes Entdeckung der Subjektivität: Eine neue Form der Reflexion – eine neue Form der Philosophie. Der Beginn des Deutschen Idealismus in Fichtes erstem Systementwurf in den nachgelassenen Manuskripten Eigne Meditationen über ElementarPhilosophie und Practische Philosophie von 1793/94.

Eine Tagung der Internationalen Fichte-Gesellschaft in Kooperation mit der Internationalen Schelling-Gesellschaft, der Università degli Studi di Ferrara, dem Institut für Transzendentalphilosophie und Phänomenologie der Bergischen Universität Wuppertal und der Universidad Nacional de Educación a Distancia, Madrid

19.- 21. Mai 2017, Barockschloss Rammenau; 

 

 

Θεραπεία: o labirinto do cuidado no Górgias de Platão

 

Comunicação apresentada no Ciclo de Seminários ΕΠΙΜΕΛΕΙΑ – Cuidado: conceitos e problemas, organizado pelo Instituto de Estudos Filosóficos da Universidade de Coimbra, sessão de 23.2.2017

 

 

Fichtes Gordischer Knoten

 

Comunicação apresentada à Internationale Fachtagung „J. G. Fichte Grundlage der gesammten Wissenschaftslehre“: Goethe Institut Thessaloniki/Aristoteles Universität Tessaloniki

23./24. Januar 2017;

 

 

 

Fichte and the Body in Action

 

Comunicação apresentada ao IV Congreso Internacional de la Asociación Latinoamericana de Estudios sobre Fichte: “Fichte en el labirinto del Idealismo”, Buenos Aires 12-15. 9. 2016;

 

 

 

Oedipus‘ Equation(s)

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional „Sophocles‘ Oedipus Tyrannus: Philosophical and Philological Questions“, colóquio organizado pelo I.E.F. e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 22 de Julho de 2016;

 

 

 

Wissenschaftslehre 1804 (II. Vortrag): Vorl. 24, 25 und 26

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Intenacional “Kritik und Transformation des transzendentalen Denkens – Fichtes Wissenschaftslehre von 1804 (Zweiter Vortrag) im Kontext von Schellings Identitätsphilosophie und Hegels Logik“

Eine Tagung der Internationalen Fichte-Gesellschaft in Kooperation mit der Internationalen Schelling-Gesellschaft

20. - 22. Mai 2016, Barockschloss Rammenau;

 

 

 

“Subjective End“, “Means“ and “Realized End“

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “La lógica de Hegel/Hegel’s Logic”, organizado pelo grupo de investigação Hegel’s Philosophy of Action: Logical and Ontological Aspects

Universitat de València, Facultat de Filosofia i Ciències de l’Educació  20-22.4.2016;

 

 

 

Bilder-wahrnehmen und Bild-sein – Antike, Christentum, Fichte

 

Comunicação apresentada ao IX. Kongress der Internationalen Johann Gottlieb Fichte-Gesellschaft: Fichte und die Zeit der Bilder, Madrid, UNED/Universidad Complutense, 8.-11. September 2015;

 

 

 

Triumph of the παντοπόρος? The Image of the Self-invented and Self-inventing δεινόν in Antigone’s First Stasimon

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “ On Sophocles' Antigone: The First Stasimon”, organizado pela Unidade de Investigação L.I.F., da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H, em 25 de Julho de 2015;

 

 

 

Les «métamorphoses» de l'existence dans les premières leçons de la Wissenschaftslehre 1805

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional «Fichte et l’ontologie», organizado pelo Institut d’Histoire de la Philosophie/ Université d’Aix/Marseille, colóquio que teve lugar na Université d’Aix/Marseille entre 4 e 6 de Junho de 2015;

 

 

 

Fichte und Schopenhauer über die Rolle des praktischen Vermögens als unsichtbaren Faktors des Bewusstseins

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Die Tatsachen des Bewusstseins und das Problem des Unbewussten –Schopenhauer und Fichte im Gespräch“ (Eine Tagung der Internationalen J.-G. Fichte-Gesellschaft in Kooperation mit der A.-Schopenhauer-Gesellschaft und der Internationalen Schelling-Gesellschaft im Barockschloss Rammenau 15.-17. Mai 2015);

 

 

 

Some Heretical Remarks on σῶμα and ψυχή

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional Plato’s Phaedo: „New Glimpses Through the Old Holes”, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Lisboa, em 27 e 28 de Março de 2015;

 

 

 

Mit Kant gegen Kant: Fichtes Anschauungsbegriff in der Wissenschaftslehre nova methodo

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional Die Rolle von Anschauung und Begriff bei Johann Gottlieb Fichte. Mit Kant über Kant  hinaus. Kolloquium anlässlich des 200. Todesjahres von J.-G. Fichte, organizado pelo Institut für Philosophie, pela Evangelisch-Theologische Fakultät der Universität Wien  e pela Facultad de Filosofia de la UNED (Madrid), colóquio que teve lugar no Institut für Philosophie/Universität Wien em 5 e 6 de Dezembro de 2014;

 

 

 

“Gedachtes Denken“/“Wirkliches Denken“: A Strictly Philosophical Problem in Fichte’s Reden

 

North American Fichte Society, Twelfth Biennial Meeting May 28-31 2014, University of Utah, Salt Lake City, Utah;

 

 

 

Ausdehnung und Freiheit

 

Sein und Freiheit in Johann Gottlieb Fichtes Spätwerk – Facetten und Probleme – Tagung der Internationalen Johann Gottlieb Fichte-Gesellschaft im Barockschloss Rammenau 23.-25. Mai 2014;

 

 

 

A ‘Radiological’ Approach to Pausanias’ Speech

 

The Northern Association for Ancient Philosophy Annual Meeting 2014 (April 7th- 8th 2014, University of Leeds);

 

 

 

Changing Appearances. On the Inner Laboratory of the φανταστόν in Stoic Thought.

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional In the Categorial Laboratory of the Stoics – I, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Lisboa, em 28 e 29 de Março de 2014;

 

 

 

Κάλλιστον: constantes e variáveis de Homero ao Górgias de Platão

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Poesia e Filosofia na Grécia Antiga: Afinidades, Cruzamentos, Querelas” organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 1 e 2 de Junho de 2013;

 

 

 

“Les témoins malgré eux”: Socrates' Unwitting Witnesses in the Gorgias

 

Comunicação apresentada no Colóquio Internacional “Plato’s Gorgias: Labyrinth and Threads”, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Lisboa, em 7 e 8 de Junho de 2013;

 

 

 

O princípio é metade do todo (1. Stunde)

 

Comunicação apresentada nas Jornades de la Xarxa Ibérica d'Estudis Fichtians: Die Wissenschaftslehre 1805, que tiveram lugar na Facultat de Filosofía de la Universitat de Barcelona entre 8 e 10 de Maio de 2013;

 

 

 

Kants “Was darf ich hoffen?” – eine unumgängliche Frage?

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional „Zweck, Sinn und Sinnlosigkeit: Perspektiven und Wege des Deutschen Idealismus/ Finalité, sens et manque de sens : Perspectives et itinéraires de l’idéalisme allemand/ Purpose, Sense and Senselessness: Perspectives and Paths in German Idealism”, colóquio organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e que teve lugar em Coimbra, na F.L.U.C., em 6 de Abril de 2013;

 

 

 

Μάτην - aspectos da concepção antiga de finalidade/propósito e da sua falta

 

Comunicação apresentada ao Colóquio A(s) Origem(ns) das Causas III: Causalidade, Finalidade e Não-Finalidade no Pensamento Antigo, colóquio conjuntamente organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 23.1.2013;

 

 

 

Resistência e “In-der-Welt-sein” – Heidegger

 

Comunicação apresentada na Workshop “Realidade, Causalidade e Resistência”, conjuntamente organizada pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., em sessão que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 10 de janeiro de 2013;

 

 

 

Visão e resistência: implicações gnosiológicas de fenómenos da percepção do espaço – Jaensch

 

Comunicação apresentada na Workshop “Realidade, Causalidade e Resistência”, conjuntamente organizada pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., em sessão que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 20 de Dezembro de 2012;

 

 

 

Fichte: sensação, resistência, realidade (Wissenschaftslehre nova methodo)

 

Comunicação apresentada na Workshop “Realidade, Causalidade e Resistência”, conjuntamente organizada pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., em sessão que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 24 de Novembro de 2012;

 

 

 

Die “Sicherscheinung der Erscheinung der Erscheinung”

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional „Fichtes Wissenschaftslehre 1812 – Vermächtnis und Herausforderung des transzendentalen Idealismus“, organizado pela FernUniversität in Hagen e que teve lugar em Berlim, no Regionalzentrum Berlin der FernUniversität in Hagen, entre 5 e 7 de Outubro de 2012;

 

 

 

Die Lehre vom Standpunkt im Privatissimum für G.D.

 

Comunicação apresentada ao VIII. Kongress der Internationalen Fichte-Gesellschaft - Fichte und seine Zeit, que teve lugar em Bolonha, entre 19 e 22 de Setembro de 2012;

 

 

 

All, Nothing and Something – Fichte’s Challenge, Challenges to Fichte

 

“Impulsreferat” da Secção 2.7 (Skeptizismus/System) do VIII. Kongress der Internationalen Fichte-Gesellschaft - Fichte und seine Zeit, que teve lugar em Bolonha, entre 19 e 22 de Setembro de 2012;

 

 

 

Razão, Espinozismo, Vida: F. H. Jacobi

 

Comunicação apresentada no Colóquio “Princípio de Razão: Fogos Cruzados”, conjuntamente organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 14 de Julho de 2012;

 

 

 

A Further Point of View on Points of View

 

Comunicação apresentada à European Society for Aesthetics Conference 2012,

Universidade do Minho, 25-27. 6. 2012;

 

 

 

Exercices de natation dans la mer des λόγοι

 

Comunicação apresentada ao Congresso Internacional O Parménides de Platão, conjuntamente organizado pela U I & D Linguagem, Interpretação e Filosofia da Universidade de Coimbra, pela U I & D Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra e pela Secção Mediterrânica da International Plato Society, 

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 14 -16.6. 2012;

 

 

 

Freedom and Knowledge. Fichte’s Understanding of Science in the Propädeutik Erlangen (1805)

 

Comunicação apresentada no XIº Encontro Bienal da North American Fichte Society: Fichte and the Methods of Transcendental Philosophy, Université Laval, Québec, 16-19. 5. 2012;

 

 

 

Uma perspectiva original? Realidade e resistência em Frischeisen-Köhler

 

Comunicação apresentada na Workshop “Realidade, Causalidade e Resistência”, conjuntamente organizada pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H., em sessão que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 28 de Abril de 2012;

 

 

 

Platão e a ἐκβολὴ τῆς δόξης – sobre o conceito negativo de παιδεία no Sofista

 

Comunicação apresentada ao II Congreso Internacional de Filosofía Griega, organizado pela Sociedad Ibérica de Filosofía Griega, congresso que teve lugar em Palma de Mallorca entre 19 e 21 de Abril de 2012;

 

 

 

Um capítulo esquecido da história da “resistência”: Friedrich Bouterwek

 

Comunicação apresentada ao Colóquio “Realidade, Causalidade e Resistência”, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, colóquio que teve lugar em Coimbra, na Faculdade de Letras, em 2 de Dezembro de 2011;

 

 

 

Sensibilidade, acção, vinculação. O novo ponto de partida de Fichte para a compreensão da sensibilidade

 

Comunicação apresentada ao Iº Congresso Latino-Americano sobre o pensamento de J. G. Fichte, que teve lugar em Goiânia (Brasil), na Faculdade de Filosofia da Universidade Federal de Goiás, entre 7 e 11 de Novembro de 2011;

 

 

 

Sobre o carácter supositivo das disposições

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Categorias Existenciais II: Disposições, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H, colóquio que teve lugar em Lisboa, na Sala João Paulo II, entre 16 e 18 de Setembro de 2011;

 

 

 

“Não mais sim do que não”: um olhar céptico sobre a causalidade (Sexto Empírico)

 

Comunicação apresentada ao Colóquio A(s) origem(ns) da(s) causa(s) II – Aspectos do desenvolvimento do modelo causal no Helenismo, conjuntamente organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos Filosóficos da F.C.S.H. da U.N.L., colóquio que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 22 de Julho de 2011;

 

 

 

Ἔρως and Πτέρως

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional In the Mirror of the Phaedrus, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra,

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra 3 -5 .5. 2011;

 

 

 

A Portrait of Art as a Young Thing: Causality and "τέχνη" in the De Arte

 

Comunicação apresentada ao IIIrd. International Aristotle Seminar at Coimbra: Causation in Greek and Medieval Philosophy, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, colóquio que teve lugar na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 18 de Março de 2011;

 

 

 

Μεταίτιος, συναίτιος e afins: aspectos do desenvolvimento do modelo causal no pensamento grego antigo

 

Comunicação apresentada ao Colóquio A(s) origem(ns) da(s) causa(s) – Aspectos do desenvolvimento do modelo causal no pensamento antigo, conjuntamente organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos Filosóficos da F.C.S.H. da U.N.L. e que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 8 de Janeiro de 2011;

 

 

 

Malhas que a auto-consciência tece: do agir ao espaço e à matéria (Wiederholung e §§9-10)

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Fichte y la Doctrina de la Ciencia nova methodo”, organizado pela Rede Ibérica de Estudos sobre Fichte e que teve lugar em Madrid, na Universidad Nacional de Educación a Distancia, entre 4 e 6 de Novembro de 2010;

 

 

 

Sobre a possibilidade ou impossibilidade da total eliminação do φρονεῖν – um Gedankenexperiment no Filebo

 

Comunicação apresentada ao Seminário Internacional: «Incursions en el Fileb II: Aristòtil lector del Fileb», organizado pelo Grup de Recerca Hermenèutica e Platonisme, Universitat de Barcelona

Facultat de Filosofia, Universitat de Barcelona, 21- 22. 10. 2010 ;

 

 

 

“Sein und Verstandensein” de l’image

 

Comunicação apresentada ao “Colloque Fichte: La Doctrine de la Science de 1813”, conjuntamente organizado pelo “Département de Philosophie de l’Université de Provence”, “l’Institut d’Histoire de la Philosophie de l’Université de Provence”, l’ANR «Subjectivité et aliénation » – colóquio que teve lugar em Aix-en-Provence, em 8 e 9 de Outubro de 2010;

 

 

 

Do fundamento (do princípio, da razão) como existencial

 

Comunicação apresentada ao Colóquio “Categorias Existenciais”, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H, e que teve lugar em Coimbra, na Faculdade de Letras, entre 24 e 26 de Junho de 2010;

 

 

 

“Interest”: An Overlooked Protagonist of Book I of Fichte’s Bestimmung des Menschen,

 

Comunicação, Tenth Biennial Meeting of the North American Fichte Society, co-organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra.

Lisboa, Fundação Luso-Americana, 27-30.4.2010;

 

 

 

Some Dissonant Notes Regarding Synthesis

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Negativity and Dialectics of Recognition in Hegel’s Phenomenology. Contemporary Perspectives on German Idealism, Facultat de Filosofia i Ciències de l’Educació, Valencia, 9-11-12-2009;

 

 

 

Zur Frage des transzendentalen Idealismus: Fichtes Lektüre von Schellings System des transzendentalen Idealismus

 

Comunicação apresentada ao Fichte Kongress 2009: Fichte und Schelling in der Diskussion, Bruxelles, Académie Royale des Sciences, des Lettres et des Beaux-Arts), 6-9 .10. 2009;

 

 

 

Experience, Cause and Wonder

 

Comunicação apresentada como orador convidado aos “Entretiens de Coimbra de l’Institut International de Philosophie”: «Cause, connaissance et responsabilité/ Cause, Knowledge and Responsability», co-organizadas pela unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 9 - 11. 9.2009;

 

 

 

Zu den 5. und 6. Vorlesungsstunden der Thatsachen des Bewußtseyns 1813

 

Comunicação apresentada ao Seminar Transzendentalphilosophie, Studium der nachgelassenen Schriften J. G. Fichtes, Tagung Madrid, UNED, 1.September bis 5. September 2009, em curso de publicação no volume de comentário colectivo às Thatsachen des Bewußtseyns 1813;

 

 

 

O caso do cogito no Filebo de Platão

 

Comunicação apresentada no Colóquio Internacional “Incursões no Filebo/ Incursions en el Fileb”, conjuntamente organizado pela Unidade de Investigação LIF, da Universidade de Coimbra, e pelo Grup de Recerca Hermenèutica e Platonisme, Universitat de Barcelona, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2-3.7.2009;

 

 

 

Natur als Widerstand: Fichte und Dilthey

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional  „Natur“ in der Transzendentalphilosophie: Internationale J. G. Fichte Gesellschaft/Tagung in Rammenau zu Fichtes Geburtstag und zum Gedenken an Reinhard Lauth, 14.-17. 5. 2009;

 

 

 

Do Belo como constituinte do Humano segundo Sócrates/Diotima

 

Conferência proferida no âmbito dos Encontros “Filosofia e Teologia um Diálogo”, Universidade Católica Portuguesa, 4. 5. 2009;

 

 

 

Wahrnehmung und Selbstreferenz: der selbstreferentielle Charakter der Wahrnehmung nach Hierokles

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Relations of the Self. Bezüge des Selbst. Selbstreferentielle Prozesse in philosophischen Perspektiven, organizado pela Unidade de Investigação LIF, da Universidade de Coimbra

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 12-14. 3. 2009;

 

 

 

Zu den 31.- 35. Vorlesungsstunden der WL 1812

 

Comunicação apresentada ao Seminar Transzendentalphilosophie, Studium der nachgelassenen Schriften J. G. Fichtes, Tagung Madrid, UNED, 1.September bis 5. September 2008;

 

 

 

A muito badalada οἰκείωσις. Trêsestudos sobre um conceito estóico e os seus problemas (230 pp.), em curso de publicação nos Cadernos do Centro de Estudos de Filosofia;

 

 

 

L’individu et la percée vers la vie dans les Thatsachen des Bewußtseyns de1810/11

 

Comunicação apresentada nas Troisièmes rencontres fichtéennes internationales d’Aix: «Percées vers l’absolu», organizadas pelo Département de philosophie de l’Université de Provence, pelo Groupe d’Etudes Fichtéennes de Langue Française e pela Internationale Fichte-Gesellschaft. Université d’Aix en Provence, 5- 6. 5. 2008;

 

 

 

Φιλοσοφία, φιλοτιμία (φιλονικία), φιλοκέρδεια: Un aspect négligé de l’analyse platonicienne

 

Comunicação apresentada ao I Congreso Internacional de Filosofía Griega, organizado pela Sociedad Ibérica de Filosofía Griega, Palma de Mallorca 24-26.4.2008;

 

 

 

The Concept of Drive in the Sittenlehre 1798 – Fundamental Aspects of Fichte’s “Doctrine of Oikeiosis”

 

Comunicação apresentada no IX Encontro da North American Fichte Society: Fichte’s System of Ethics According to the Principles of the Wissenschaftslehre (1798). Chicago, DePaul University, 10-13.4.2008;

 

 

 

Fichte y el problema de la relevancia ética de la existencia de Dios

 

Comunicação apresentada ao Encuentro sobre la “Disputa sobre el Ateísmo”, promovido em Madrid, pela Rede Ibérica de Estudos sobre Fichte, na Universidad Nacional de Educación a Distancia, 12-13. 2.2008;

 

 

 

Husserl e o problema da fundação platónica das ciências

 

Comunicação apresentada ao IIIº Congresso Internacional da Associação Portuguesa de Filosofia Fenomenológica: Mundo da Vida – Racionalidade – Ciência, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 5-8.12.2007;

 

 

 

"Verse actuar a sí mismo": la comedia en la Fenomenología del Espíritu

 

Comunicação apresentada ao “Congreso Internacional: Figuraciones contemporáneas de lo Absoluto. Bicentenario de la Fenomenología del espíritu de Hegel”, Valencia (Museu Valencià de la Il-lustració i d e la Modernitat), 26-28.11.2007;

 

 

 

Do Belo como constituinte do Humano segundo Sócrates/Diotima

 

Comunicação apresentada ao 2º Colóquio da Revista Filosófica de Coimbra, “Origem e significado do Belo”, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 19-20.9.2007;

 

 

 

La politique de l’expérience et ses limites – Fichte et les enjeux gnoséologiques de la politique

 

Comunicação apresentada ao „Colloque International de Madrid: Fichte et la politique” (organização: Universidad Nacional de Educación a Distancia de Madrid, Université de Toulouse Le MirailInternationale-Fichte-GesellschaftRed Ibérica de Estudios FichteanosGroupe d’Etudes Fichtéennes de Langue Française), Madrid, Universidad Nacional de Educación a Distancia, 3-5.5.2007;

 

 

 

Φιλία e ipseidade: aspectos da dificuldade da φιλία segundo Aristóteles

 

Comunicação apresentada no Seminário sobre “El concepto de philia en Aristóteles“, organizado pela Sociedad Ibérica de Filosofía Griega

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2.3.2007;

 

 

 

Heideggers Auseinandersetzung mit Fichtes drei Grundsätzen der Wissenschaftslehre – die Frage nach der Endlichkeit

 

Comunicação apresentada ao Internationaler J.-G.-Fichte Kongress “Wissen, Freiheit, Geschichte – Die Philosophie Fichtes im 19. und 20. Jahrhundert“, Halle (Saale), 3-7. 10. 2006;

 

 

 

Μέθοδος e ὑπόθεσις – o problema do pressuposto na fundação platónica da filosofia

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Método e Métodos do Pensamento Filosófico", organizado pela Revista Filosófica de Coimbra,

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 27-28.4. 2006;

 

 

 

Fichte, Heidegger and the Concept of Facticity

 

Comunicação apresentada ao VIII. Encontro da North American Fichte Society: Fichte and the Phenomenological Tradition, Viena 15-18.3.2006;

 

 

 

Variações livres sobre o Humano – Swift

 

Comunicação apresentada ao Congresso Internacional “O humano e o Inumano – A Dignidade do Homem e os Novos Desafios”, organizado pela Associação Portuguesa de Filosofia Fenomenológica e que teve lugar na Universidade de Coimbra, 10-11.5. 2005;

 

 

 

O egoísmo lógico e a sua superação – um aspecto fundamental do projecto crítico de Kant

 

Kant: Posteridade e Actualidade. Colóquio Internacional, Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 25-27.11.2004;

 

 

 

Le concept de disjonction dans la Wissenschaftslehre de 1804

 

Comunicação plenária apresentada ao Colloque international "L’exposé de la Doctrine de la science de 1804 (II)" / "Der Vortrag der Wissenschaftslehre 1804² ", organizado pelo Groupe d’Etudes Fichtéennes en Langue Française, Université de Poitiers, 18-20.11. 2004;

 

 

 

Reflexion und Reflexibilität

 

Comunicação apresentada ao “Fünfter Internationaler Fichte-Kongreß:Johann Gottlieb Fichte. Das Spätwerk (1810-1814) und das Lebenswerk“

Universität München, 14-18.10. 2003;

 

 

 

Faktizität”, “faktische” und “genetische Evidenz” bei Fichte

 

Comunicação apresentada ao Colóquio Internacional “Fichte – Crença, Imaginação e Temporalidade”

F.C.S.H. /Universidade Nova de Lisboa, 26-28.10.2000;

 

 

 

Imago Dei: alguns aspectos da identificação do humano em Santo Agostinho

 

Comunicação apresentada ao Colóquio “O pensamento filosófico de Santo Agostinho”, realizado na Faculdade de Letras do Porto entre 22 e 24 de Outubro de 1987.

 

 

 

 

Publicações:

 

No prelo:

 

 

Heidegger on Fichte’s Three Principles, in: C. D. COE (ed.), The Palgrave Handbook of German Idealism and Phenomenology, Basingstoke, Palgrave Macmillan, 2021. 

 

 

 

Publicadas:

 

„Die Kunst, unaufhörlich fortzumeinen“: Fichtes Kritik der „leeren Form der Wissenschaft“ und ihr Verhältnis zu Kants drei „Maximen der Selbsterhaltung der Vernunft“, Revista Filosófica de Coimbra 29 (2020), 431-482;

 

 

Resistance (Widerstand), in: M. F. BYKOVA (ed.), The Bloomsbury Handbook of Fichte, London/N.Y., Bloomsbury Academic, 2020, 409-419;

 

  

'I,' 'You,' and 'We.' Intersubjectivity, Recognition, and Summons, in: M. F. BYKOVA (ed.), The Bloomsbury Handbook of Fichte, London/N.Y., Bloomsbury Academic, 2020, 421-432;

 

 

Exercices de natation dans la mer des λόγοι, in: A. M. MARTINS/M. C. FIALHO (ed.), Relendo o Parménides de Platão. Revisiting Plato's Parmenides, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2020, 171-224;

http://monographs.uc.pt/iuc/catalog/book/103

 

 

M. J. Carvalho; T. Fidalgo (eds.), Plato’s Gorgias: Labyrinth and Threads, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra/Coimbra University Press, 20202;

 

 

“Les témoins malgré eux”: Socrates' Unwitting Witnesses in Plato’s Gorgias, in: M. J. Carvalho; T. Fidalgo (eds.), Plato’s Gorgias: Labyrinth and Threads, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra/Coimbra University Press, 20202, 67-124;

 

 

Fichte’s “Empty Form of Knowledge”, Vestnik of Saint Petersburg University. Philosophy and Conflict Studies/ ВестникСПбГУ. Философияиконфликтология35 (2019), 417-429; 

https://philosophyjournal.spbu.ru/article/view/6279

 

 

 

What it Takes to Make a ‘Thing’ (Fichte, Grundriss des Eigenthümlichen der Wissenchaftslehre), Revista de Estud(i)os sobre Fichte 19 (2019);

https://journals.openedition.org/ref/

 

 

 

 Ἐπιµελεῖσθαι and ᾄττειν in the Alcibiades Major, in: M. Jorge de Carvalho/Samuel Oliveira (ed.), Rediscovering the Alcibiades Major, Coimbra, I.E.F., 2019, 137-179;

 

 

 

M. Jorge de Carvalho/Duarte Fontes, Checkmate in a Few Moves. Φιλοτιµία and its Underlying Assumptions in the Alcibiades Major, in: M. Jorge de Carvalho/Samuel Oliveira (ed.), Rediscovering the Alcibiades Major, Coimbra, I.E.F., 2019, 47-90;

 

 

 

M. Jorge de Carvalho/Samuel Oliveira (ed.), Rediscovering the Alcibiades Major, Coimbra, I.E.F., 2019;

http://www.uc.pt/fluc/uidief/ebooks/M._J._Carvalho_and_S._Oliveira_2019_Rediscovering_the_Alcibiades_Major

 

 

 

Bilder-wahrnehmen und Bild-sein. Altgriechische „Vorläufer“ der Idee des Bildseins, Fichte-Studien 47 (2019), 105-128;

 

 

 

Perception, Extension and Space. Fichte’s Final Brush Strokes on Kant’s Canvas, Anuario Filosofico  52 (2019), 43-85;

 

 

 

Triumph of the ΠΑΝΤΟΠΟΡΟΣ? The Image of the Self-invented and Self-inventing ΔΕΙΝΟΝ in Antigone’s First Stasimon, Revista Filosófica de Coimbra 55 (2019) 105-196;

 

 

 

«Пустая форма знания» у И.Г.Фихте, in: А. Н. Муравьёв и А. А.Иваненко (Ред.),  Фихтеисовременность: философия, история, религия, СПб., Владимир Даль, 2018, 87-111;

 

 

Les « métamorphoses » de l’existence dans les premières leçons de la Doctrine de la science de 1805, in: M. MARCUZZI (ed.), Fichte et l’ontologie, Aix-en-Provence, Presses Universitaires de Provence, 2018, 75-88;

 

 

 

Ausdehnung und Freiheit, in: M. D’ALFONSO, T. KISSER, P. LOHMANN, J. RIVERA de ROSALES (Hrsg.), Mit Fichte philosophieren. Perspektiven seiner Philosophie nach 200 Jahren, Leiden, Brill, 2018 (Fichte-Studien 45), 61-91;

 

 

 

El análisis de Hegel del fin en la Ciencia de la Lógica, in: E. MARAGUAT (ed.), La Lógica de Hegel, Valencia, Pre-Textos, 2017,135-178;

 

 

 

Zur Frage des transzendentalen Idealismus : Fichtes Lektüre von Schellings System des transzendentalen Idealismus, in: T. GROHMANN, / L. HELD, J.-C. LEMAITRE (ed.), Fichte und Schelling: Der Idealismus in der Diskussion, vol. II, EuroPhilosophie Éditions (Open Books), 2017

http://books.openedition.org/europhilosophie/509

 

 

 

Fichte and the Body in Action, Revista de Estud(i)os sobre Fichte 12 (2016)

https://ref.revues.org/683

 

 

 

Gedachtes Denken/Wirkliches Denken. A Strictly Philosophical Problem in Fichte’s Reden, in: D. BREAZEALE/T. ROCKMORE (ed.), Fichte’s Addresses to the German People Reconsidered, N.Y., SUNY Press, 2016, 55-84;

 

 

 

M. J. Carvalho; T. Fidalgo (eds.), Plato’s Gorgias: Labyrinth and Threads, Coimbra, Instituto de Estudos Filosóficos, Universidade de Coimbra, 2016 (e-QVODLIBET 3)

http://www.uc.pt/fluc/uidief/ebooks/Gorgias_Labyrinth_and_Threadshttp://www.uc.pt/fluc/uidief/ebooks/Gorgias_Labyrinth_and_Threads

 

 

 

“Les témoins malgré eux”: Socrates' unwitting witnesses in Plato’s Gorgias, in: M. J. Carvalho; T. Fidalgo (eds.), Plato’s Gorgias: Labyrinth and Threads, Coimbra, Instituto de Estudos Filosóficos, Universidade de Coimbra, 2016 (e-QVODLIBET 3), 67-124;

 

 

 

Die Sicherscheinung der Erscheinung der Erscheinung, in: T. S. HOFFMANN (ed.),  Johann Gottlieb Fichtes Wissenschaftslehre von 1812. Vermächtnis und Herausforderung des transzendentalen Idealismus, Berlin, Duncker & Humblot, 2016, 69-95;

 

 

 

Natur als Widerstand: Fichte und Dilthey, in: H. GIRNDT (ed.), Natur in der Transzendentalphilosophie , Berlin, Duncker & Humblot, 2015, 283-318;

 

 

 

L. WITTGENSTEIN, Uma Conferência sobre Ética, Tradução, nota prévia, posfácio, apêndices e notas de Leonel Lucas Azevedo e Mário Jorge de Carvalho, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2015;

 

 

 

Experience, Cause and Wonder, in: MARTINS, A. M. (ed.), Cause, Knowledge and Responsibility (Philosophy in International Context/Philosophie im internationalen Kontext, Bd. 8), Berlin/Münster/Wien, LIT Verlag, 2015, 141-171;

 

 

 

Knowledge and Standpoint. Fichte’s Understanding of Science and Transcendental Knowledge in the Propädeutik Erlangen (1805), in: T. ROCKMORE/D.BREAZEALE (ed.), Fichte and Transcendental Philosophy, Basingstoke, Palgrave Macmillan, 2014, 190-210;

 

 

 

What it Takes to Make an Image. From Fichte's Thinking Workshop (His Diary Entry for the 25th October 1813), Rivista di Storia della Filosofia (2014), 683-717;

 

 

 

“Sein und Verstandensein” de l’image, in: MARCUZZI, Max (ed.), Fichte Doctrine de la science. Exposé de 1813, Aix/Marseille, Presses Universitaires de Provence, 2014, 125-143;

 

 

 

CARVALHO, M. Jorge de / CAEIRO, A. / TELO, H. (ed.), In the Mirror of the Phaedrus, St. Augustin, Akademia, 2013;

 

 

 

Ἔρως and Πτέρως, in: CARVALHO, M. Jorge de / CAEIRO, A. / TELO, H. (ed.), In the Mirror of the Phaedrus, St. Augustin, Akademia, 2013, 169-244;

 

 

 

Sobre a prescindibilidade ou imprescindibilidade do ΦΡΟΝΕΙΝ– um Gedankenexperiment no Filebo e no Protréptico, Porto, Fundação Eng. António de Almeida, 2013;

 

 

 

“Interest”: An Overlooked Protagonist of Book I of Fichte’s Bestimmung des Menschen, in: BREAZEALE, D./ROCKMORE, T. (ed.), Fichte’ Vocation of Man: New Interpretive and Critical Essays, N.Y., SUNY Press, 2013, 103-126;

 

 

 

Heideggers Auseinandersetzung mit Fichtes drei Grundsätzen der Wissenschaftslehre – die Frage nach der Endlichkeit, in: STOLZENBERG, J. / RUDOLPH, O.-P.  (ed.), Wissen, Freiheit, Geschichte. Die Philosophie Fichtes im 19. Und 20. Jahrhundert, Beiträge des sechsten internationalen Kongresses der J.-G.-Fichte-Gesellschaft in Halle (Saale) vom 3-7. Oktober 2006, Band III: Sektionen 7-9, Amsterdam/N.Y, Rodopi, 2013, 263-280;

 

 

 

CAEIRO, A./ de CARVALHO, M. J. (eds.), Incursões no Filebo. Estudos sobre Platão, Porto, Fundação Engenheiro António de Almeida, 2012;

 

 

 

O caso do cogito no Filebo de Platão, in: CAEIRO, A./ de CARVALHO, M. J. (eds.), Incursões no Filebo. Estudos sobre Platão, Porto, Fundação Eng. António de Almeida, 2012, 179-318;

 

 

 

A Further Point of View on Points of View, Proceedings of the European Society for Aesthetics 4 (2012), 1-40;

http://proceedings.eurosa.org/?p=37

 

 

 

“Mallas que la autoconciencia teje” – desde el actuar hasta el espacio y la materia (Recapitulación y §§ 9-10), Endoxa 30 (2012), 175-255;

 

 

 

CARVALHO, M. J./OLIVEIRA, S., O tempo e o cântico – um aspecto das análises de Agostinho sobre o tempo (Conf. XI, XXVIII. 38), Civitas Augustiniana 1 (2012), 1-26;

http://ojs.letras.up.pt/index.php/civaug/issue/current

 

 

 

Sobre a possibilidade ou impossibilidade da total eliminação do φρονεῖν – um Gedankenexperiment no Filebo, in: MONSERRAT, J/ TORRES, B. (ed.), Aristòtil lector de Plató (Incursions en el “Fileb” platònic), Barcelona, Societat Catalana de Filosofia/Institut d’Estudis Catalans/Barcelonesa d’Edicions, 2011, 15-54;

 

 

 

EREMITA, V. (ed.) S. KIERKEGAARD, Diapsalmata, tradução, notas e posfácio de Nuno Ferro e M. J. de Carvalho et al., Lisboa, Assírio & Alvim, 2011;

 

 

 

Do Belo como constituinte do Humano segundo Sócrates/Diotima, Revista Filosófica de Coimbra 38 (2010), 369-468;

 

 

 

Wahrnehmung und Selbstreferenz: der selbstreferentielle Charakter der Wahrnehmung nach Hierokles, in: BALSEMÃO PIRES, E./ NONNENMACHER, B. / BÜTTNER-von STÜLPNAGEL, S. (ed.), Relations of the Self, Coimbra, Imprensa da Universidade, 2010, 109-139;

 

 

 

Fichte, Heidegger and the Concept of Facticity, in: WAIBEL, V./BREAZEALE, D./ROCKMORE, T. (ed.), Fichte and the Phenomenological Tradition, Berlin, De Gruyter, 2010, 223-260;

 

 

 

Zur Frage des transzendentalen Idealismus: Fichtes Lektüre von Schellings System des transzendentalen Idealismus, in: Fichte Kongress 2009: Fichte und Schelling in der Diskussion

http://www.europhilosophie.eu/recherche/IMG/pdf/8A-Carvalho-beitrag.pdf

 

 

 

Profundidade da experiência (Kant), in: AA.VV., Razão e Liberdade. Homenagem a Manuel José do Carmo Ferreira, Lisboa, CFUL, 2010, vol. II, 1113-1151;

 

 

 

Sobre o lugar do futuro, Itinerarium 56 (2010), 613-638;

 

 

 

Die Aristophanesrede in Platons Symposium. Die Verfassung des Selbst, Würzburg, Königshausen & Neumann, 2009;

 

 

 

Le concept de disjonction dans la Wissenschaftslehre de 1804, in: GODDARD, J-C. / SCHNELL, A. (ed.), L’être et le phénomène. Sein und Erscheinung J. G. Fichte Die Wissenschaftslehre(1804), Paris, Vrin, 2009, 109-129;

 

 

 

Introducción histórica, in: RIVERA DE ROSALES, J.  et al. (ed.), La polémica sobre el ateísmo. Fichte y su época, Madrid, Dickinson, 2009, 13-133;

 

 

 

Fichte y el problema de la relevancia ética de la existencia de Dios, in: RIVERA DE ROSALES, J.  et al. (ed.), La polémica sobre el ateismo. Fichte y su época, Madrid, Dickinson, 2009, 325-355;

 

 

 

"Verse actuar a sí mismo": la comedia en la Fenomenología del Espíritu, in: JIMÉNEZ REDONDO, M. / MARTOS, A. A.  (ed.), Figuraciones contemporáneas de lo Absoluto. Bicentenario de la Fenomenología del espíritu de Hegel (1807-2007, Valencia, MVIM, 2009, 177-222;

 

 

 

The Concept of Drive in the Sittenlehre (1798) – Fundamental Aspects of Fichte’s “Doctrine of Oikeiosis”, Philosophy Today 52 (2008), 298-310;

 

 

 

La politique de l’expérience et ses limites – Fichte et les enjeux gnoséologiques de la politique, in: GODDARD, J.-C. / RIVERA DE ROSALES, J.  (ed.), Fichte et la politique, Milano, Polimetrica, 2008, 81-105;

 

 

 

Φιλία e ipseidad: aspectos de la dificultad de la φιλία según Aristóteles, Endoxa: Series Filosóficas 22 (2007), 87-117;

 

 

 

KIERKEGAARD, S., Adquirir a sua alma na paciência, tradução do dinamarquês, notas e posfácio de Nuno Ferro e M. Jorge Carvalho. Lisboa, Assírio e Alvim, 2007;

 

 

 

Μέθοδος e ὑπόθεσις – o problema do pressuposto na fundação platónica da filosofia, in: FERRER, D.  (ed.), Método e Métodos do Pensamento Filosófico. Coimbra, Imprensa da Universidade, 2007, 9-69;

 

 

 

O egoísmo lógico e a sua superação – um aspecto fundamental do projecto crítico de Kant, in: RIBEIRO DOS SANTOS, L. (ed.), Kant: Posteridade e Actualidade. Colóquio Internacional. Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007, 229-256;

 

 

 

Variações livres sobre o Humano – Swift (comunicação apresentada ao Congresso Internacional “O humano e o Inumano – A Dignidade do Homem e os Novos Desafios”, organizado em Coimbra, em Março de 2005 pela Associação Portuguesa de Filosofia Fenomenológica), in: ALVES, P. M. S. et al., Humano e Inumano. A Dignidade do Homem e os Novos Desafios. Lisboa, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2006, 207-252;

 

 

 

Reflexion und Reflexibilität,in: ZÖLLER, G. / von MANZ, H. G. (ed.), Fichtes letzte Darstellungen der Wissenschaftslehre. Beiträge zum Fünften Internationalen Fichte-Kongreß „Johann Gottlieb Fichte. Das Spätwerk (1810-1814) und das Lebenswerk“ in München vom 14. bis 21. Oktober 2003. Teil I, Amsterdam/New York, Rodopi, 2006, 187-204;

 

 

 

Problemas de desconfinamento de perspectiva: pensar por si, o pensamento de outrem e alguns preconceitos sobre a filosofia actual e o passado da filosofia, in: AAVV., Os longos caminhos do ser – Homenagem a Manuel Barbosa da Costa Freitas. Lisboa, Universidade Católica Editora, 2003, 117-138;

 

 

 

Faktizität”, “faktische” und “genetische Evidenz” bei Fichte, in: GIL, F. et al. (ed.), Fichte:Crença, imaginação e temporalidade. Porto, Campo das Letras, 2002, 147-188;

 

 

 

Erfahrung und Endlichkeit – Grundzüge und Zweideutigkeit des Erfahrungsbegriffs im Ausgang von Aristoteles, Quid  Revista de Filosofia 1 (2000), 73-250;

 

 

 

Novas publicações de fontes para o estudo de Kant, Quid Revista de Filosofia 1 (2000), 481-497;

 

 

 

Problemas fundamentais de fenomenologia da finitude Tese de Doutoramento, Lisboa, 1996, 2 vols., XXIX + 1832 + 449 pp.;

 

 

 

A fenomenologia do “1º Heidegger” e o problema ontológico.1ª Parte: Prolegómenos – o projecto da filosofia como redução da positividadeTese de Mestrado, Lisboa, 1987, III+ 340 pp.;

 

 

 

Peter Krausser – Kants Theorie der Erfahrung und Erfahrungswissenschaft, Análise1 (1984), 299-317;

 

 

K. LORENZ, Construtivismo dialógico, trad. M. J. de Carvalho, Análise 5 (1986), 5-23.

 

 

 

 

 

 

Actuais Interesses de Investigação:

 

a) O problema da finitude do ponto de vista – i.e. o problema de saber em que sentido ou sentidos e, por outro lado, em que medida, a que ponto é que pode dizer-se que o nosso ponto de vista é finito. Trata-se, no fundamental, da constituição de uma fenomenologia da finitude, i.e. de um levantamento da situação de finitude em que se está, que apure os factores que a produzem, as suas modalidades e a forma da finitude do nosso ponto de vista (quer dizer: a global relação de forças entre o que se obtém e está “à mostra” no acesso de que se dispõe e aquilo que limita, fragiliza ou põe em causa a eficácia desse acesso)[1].

A investigação deste complexo de problemas implica também o estudo da tradição de “diagnósticos” de finitude que percorre o pensamento ocidental desde os seus alvores, designadamente na obra de Platão, de Aristóteles, de Leibniz, de Hume, de Kant, Maimon, Jacobi, Fichte, Schelling e Hegel, de Nietzsche e Kierkegaard, bem como de Husserl e de Heidegger. Especial atenção merecem os modelos de escalas de finitude desenvolvidos por Platão, Aristóteles, no Neoplatonismo, por Agostinho, Tomás de Aquino, Boaventura, Nicolau de Cusa, Leibniz, Kant, mas também em Fichte e Hegel. Especial atenção é dedicada ainda à forma como o problema da finitude do acesso de que se dispõe (e aquilo a que se pode chamar o encerramento da perspectiva humana em "ópticas fechadas") se acha insistentemente reflectido em diversas expressões do pensamento grego antigo filosófico e não-filosófico (na tragédia, na épica, na lírica, na historiografia, na génese do pensamento científico, por exemplo, no Corpus Hippocraticum, etc.)

 

 

 b) A análise da questão da finitude do ponto de vista requer o esclarecimento das estruturas da sua composição, da forma como está organizado, etc. Sem o esclarecimento deste outro complexo de problemas não é possível nem perceber os múltiplos modos como o acesso que se tem está exposto a finitude, nem compreender bem os mecanismos de “resistência” que opõe a qualquer reconhecimento de finitude que o ponha em causa, etc. Particularmente relevante é a questão de saber que relações existem entre o campo das apresentações expressas (constituídas em foco de incidência) e o domínio das apresentações não-temáticas que as acompanham (na linguagem de Kant: o “Bathos” sc. a “profundidade” da experiência[2]), bem como a questão de saber até que ponto a multiplicidade dos momentos que compõem o acesso de que se dispõe corresponde a um composto de elementos avulsos – ou pelo contrário, está organizada a partir de um conjunto de apresentações fundamentais, relativamente às quais todas as demais têm um carácter derivado. No que diz respeito a este último núcleo de problemas, importa em particular esclarecer: 1) o fenómeno do não isolamento das diversas componentes da apresentação disponível, i.e. a forma como se cruzam entre si, de sorte que nenhum momento discernível do “tecido” da apresentação é simples, antes sucede que todos comportam em si uma multiplicidade muito complexa de determinações e correspondem ao efeito convergente da inexplícita apresentação de todas elas: 2) o fenómeno da constituição categorial da apresentação, i.e. a forma como as determinações envolvidas na fixação de cada um dos seus momentos não são originais e únicas, antes correspondem a um conjunto muito menos amplo de determinações repetíveis – de sorte que, para o exprimir nos termos de uma comparação muito antiga, a totalidade do “texto” da apresentação equivale à combinatória de um alfabeto (de um conjunto de determinações repetíveis com um cardinal muito mais pequeno); 3) a possibilidade da constituição transcendental da totalidade da apresentação a partir de um núcleo de apresentação fundamental de todo o seu horizonte – i.e. a questão de saber até que ponto a multiplicidade indefinidamente aberta das apresentações a que se tem acesso corresponde a uma multiplicação “interna” dentro do quadro de uma estrutura monádica; 4) no âmbito deste último complexo de problemas, a questão relativa ao papel desempenhado pela apercepção de si, a peculiaridade do fenómeno do “si mesmo”, a análise da sua constituição e da sua finitude, a determinação do complexo das formas de sentido “existencial” (e das modalidades da respectiva finitude), a articulação entre as formas de sentido “existencial” e as formas de sentido “categorial” (a questão da dependência de todo o sentido “categorial” relativamente ao sentido “existencial”) e a possibilidade de todo o campo de apresentação ter o carácter de qualquer coisa como uma “mónada existencial”.

Neste âmbito de problemas, dedica-se especial atenção ao problema da representação confusa. A análise do problema da confusão segue génese da noção a partir dos lineamentos desenhados em Platão e no início do livro I da Physica de Aristóteles.Para além disso, foca também a reconsideração do problema entre os Estóicos, os desenvolvimentos medievais (em particular no pensamento de Duns Escoto), a reapropriação da tradição medieval no quadro do pensamento de Suarez (ou v. g. também na Logica Hamburgensis de Jungius), os fundamentos e o papel da noção de representação confusa em Descartes, a discussão do problema da representação inconsciente em Locke e na tradição empirista (mas, por exemplo, também em Brentano), os fundamentos e o papel da distinção perceptio/apperceptio (animadversio, Gewahrnehmung[3], etc) bem como da escala repraesentatio obscura/ clara/ distincta/ adaequata/ intuitiva em Leibniz, o conceito de “autómato” e a análise da estrutura da fixação “automática” de convicção em Pascal, o desenvolvimento das análises de Leibniz na Escolástica Alemã, o problema da “profundidade da experiência” e dos “juízos ocultos da razão comum” em Kant, a averiguação do fenómeno da confusão e a valorização do seu papel em Herder, os desenvolvimentos do problema da confusão no pensamento de Fichte, Schelling e Hegel, o exame do complexo de fenómenos correspondente à co-apresentação “horizontal”e à intencionalidade “anónima” sc. à “fungierende Intentionalität” em Husserl, a averiguação a averiguação da intencionalidade não-temática no quadro da “analítica existencial-temporal do Dasein”, etc

Um outro núcleo fundamental da investigação desenvolvida neste domínio é aquele que se prende com o problema da constituição transcendental do acesso. Neste âmbito, além da pesquisa dos fundamentos do próprio modelo transcendental, dedica-se particular atenção ai confronto entre diferentes modelos de constituição transcendental, em especial no que toca à alternativa entre uma constituição transcendental pura ou predominantemente categorial e uma constituição transcendental existencial, constituindo a base da própria constituição categorial do plano de acesso. O exame deste complexo de questões passa pelo estudo da “fenomenologia” das formas de sentido em Kierkegaard e pelo exame circunstanciado da “inflexão” existencial da “analítica existencial-temporal do Dasein” e da resistência a essa inflexão na obra de Husserl. A pesquisa deste complexo de problemas suscitou também o desenvolvimento de um conjunto de iniciativas de investigação em torno do fenómeno do “Si”. Trata-se de tentar esclarecer a natureza, as características, as funções desta peculiar forma de sentido, combinando a análise fenomenológica do problema com o exame, interpretação e discussão de diferentes abordagens no quadro da tradição filosófica. Neste âmbito, além dos aspectos relativos ao problema da apercepção transcendental em Kant e nas análises da Doutrina da Ciência de Fichte, à análise da constituição do “Si mesmo” em Kierkegaard, à egologia husserliana e ao papel do Si como “proto-compreensão” e “possibilitante” na “analítica existencial-temporal do Dasein”, tem-se vido a desenvolver um trabalho de interpretação do problema da especificidade e das funções da determinação da “ipseidade” nas análises de Platão. A averiguação deste complexo de problemas motivou ainda o estudo da forma como os fenómenos do “centramento” em si, da “não-indiferença” e do “apego” ou “dedicação” a si se acham captados e discutidos no desenvolvimento da noção de οἰκείωσις a partir de Teofrasto e dos Estóicos, bem como nas complexas linhas de transformação das noções de “philautia”, “amor sui”/“amor privatus”/”amor proprius” desde a antiguidade até ao pensamento francês dos séculos XVII e XVIII.

 

c) O terceiro fio condutor prende-se com a questão da “precisão de verdade” ou da “vontade de verdade”, da possibilidade do “indiferentismo”[4] e com a determinação da medida em que o acontecimento de acesso que constituímos está ou não vinculado a uma “precisão de verdade”, pode ou não prescindir de uma apresentação adequada (tida por adequada) da situação em que encontra[5]. A questão da natureza do acesso de que se dispõe e da sua finitude assume contornos muito diferentes consoante haja ou não uma vinculação dessa ordem (e também consoante a natureza dessa vinculação – até que ponto vai, que é que exactamente se acha requerido nela). Por um lado, é claro que a forma como estamos constituídos não faz que tenhamos uma irrestrita precisão de verdade, uma natureza φιλόσοφος como a que se acha descrita no final do livro V da República de Platão (de sorte que não possamos prescindir de uma apresentação integral do que há e nos seja absolutamente insuportável a subsistência de qualquer margem de escondimento ou de ineficácia do acesso de que dispomos). É, nesse sentido, fácil verificar que a afirmação com que abre o livro A da Metafísica de Aristóteles (“πάντες ἄνθρωποι τοῦ εἰδέναι ὀρέγονται φύσει) não pode ser aceite sem restrições. Mas, por outro lado, põe-se o problema de saber se a margem de indiferença relativamente ao escondimento (de não-precisão de uma apresentação integral das coisas) que verificamos ter lugar em nós e que faz levantar reservas ao enunciado de Aristóteles vai ao ponto de equivaler a um grau-zero de precisão, a uma total indiferença – e, quando não, qual é então a conformação concreta da margem de precisão de verdade (de não-indiferença ao escondimento) que nos caracteriza: onde começa e onde acaba, como se acha organizada essa “precisão” ou não-indiferença, etc.

O trabalho desenvolvido neste domínio concentra-se em torno de três núcleos: Por um lado, averiguou-se o sentido e os fundamentos da tese expressa nos escritos de Platão segundo a qual toda a ψυχήhumana está constitutivamente marcada pela forma de não-indiferença que corresponde ao φιλοσοφεῖν e é, neste sentido, de algum modo constitutivamente φιλόσοφος. A análise desta tese implica o exame do tipo de prendimento que Platão concebe sob a designação de φιλεῖν e da concepção platónica do papel que os fenómenos do φιλεῖν (e todo o complexo daqueles que correspondem à noção de ἔρως) desempenham na constituição do humano. Mas, por outro lado, implica também o exame da tese fundamental de Platão sobre a cisão e a fusão da estrutura do φιλεῖν, segundo a qual o prendimento correspondente ao φιλοσοφεῖν constitui apenas uma componente num “sistema de forças” mais amplo (o sistema φιλοσοφία/ φιλονικία e φιλοτιμία / φιλοκέρδεια), dentro do qual cada uma destas componentes está limitada e contrariada pelas demais e pode conhecer diversas modalidades de “atrofia” ou de desenvolvimento. Em segundo lugar, dedica-se também especial atenção à forma como Kant discute o problema da possibilidade do “indiferentismo” e funda a tese sobre a impossibilidade, para nós, de qualquer posição metafisicamente neutra – ou seja a tese sobre o carácter sempre metafísico da nossa perspectiva: a tese sobre a Metaphysik als Naturanlage ou metaphysica naturalis[6]. Esta tese envolve, por um lado, a noção de que não é possível constituir qualquer versão da realidade que não seja metafísica (que não inclua uma qualquer forma de definição de resposta a perguntas metafísicas, seja ela qual for). Mas, por outro lado, envolve também, como componente decisiva, a verificação de que a nossa perspectiva está constitutivamente marcada pelo domínio de quesitos de definição, de perguntas relativas à situação em que nos encontramos – de tal modo que, por uma parte, não podemos prescindir do esclarecimento desses quesitos (de ter uma resposta a essas perguntas) e, por outra parte, qualquer fixação de resposta para elas envolve teses transgressoras relativamente àquilo que efectivamente se tem dado, quer dizer, teses metafísicas[7]. Um dos aspectos mais interessantes (mesmo que seguramente não um dos aspectos mais óbvios) do pensamento de Kant é a análise que fez da estrutura destes quesitos ou destas perguntas constitutivamente envolvidos no nosso modo de ser, a sua tentativa de identificação destas perguntas ou quesitos e a forma como as pôs em evidência como perguntas sempre inexplicitamente presentes e sempre de algum modo respondidas na apresentação que habitualmente se tem das coisas (de sorte que é o facto de já se dispor de respostas absolutamente assentes a essas perguntas que as faz desaparecer como tais – e que é o já se dispor de semelhantes respostas, i.e., de uma metafísica, que dispensa, torna desnecessária, a constituição de qualquer metafísica como perspectiva ainda a obter, ou seja, de qualquer metaphysica artificialis). A peculiaridade da posição de Kant sobre esta matéria passa, finalmente, pela forma como analisa a raiz desta não-neutralidade (do carácter interessado, requisitivo da nossa perspectiva). Kant sublinha que esta não-neutralidade, este carácter interessado, requisitivo da nossa perspectiva, difere de um interesse propriamente especulativo: radica antes num interesse prático. Ao mesmo tempo, mostra como esse interesse prático, dada a sua peculiar constituição, equivale a uma forma de interesse pela “verdade” (i.e., de interesse pela constituição de uma versão adequada, de um conhecimento da situação em que se está) exactamente do tipo – quer dizer, com o alcance e as limitações, com a peculiar combinação de apego e de desapego em relação ao conhecimento ou à verdade – que é documentável em nós. Por último, a investigação em curso sobre este complexo de problemas incide ainda sobre a obra de Nietzsche, onde mais do que em qualquer outra (e, de facto, com muito mais proximidade do que costuma ser reconhecido) se reacendem os problemas tratados por Platão e Kant.

 

 

 

 

 

 

Centros e Redes de Investigação a que pertence ou com que colabora, etc.:

 

Instituto de Estudos Filosóficos (Universidade de Coimbra)

http://www.uc.pt/fluc/uidief

  

Membro do Conselho Científico do

Internationales Johann-Gottlieb-Fichte-Forschungszentrum (IFF)

https://itp-buw.de/fichte-forschung/

  

Internationale Johann-Gottlieb-Fichte-Gesellschaft

https://www.fichte-gesellschaft.de/  

 

Réseau du Groupe d’Études Fichtéennes de Langue Française

http://www.europhilosophie.eu/recherche/spip.php?article26

http://www.europhilosophie.eu/recherche/spip.php?article45

 

Rede Ibérica de Estudos sobre Fichte/Red Ibérica de Estudios Fichteanos

http://www.europhilosophie.eu/recherche/spip.php?rubrique196

  

The North American Fichte Society

http://www.phil.upenn.edu/~cubowman/fichte/

  

Membro honorário da ALEF Associação Latino-Americana de Estudos sobre Fichte/ Asociación Latinoamericana de Estudios sobre Fichte

http://alef-por.blogspot.com/

  

Sociedad Ibérica de Filosofía Griega

http://www.sifg.org/

  

Membro do Conselho Editorial da Revista Filosófica de Coimbra

 

Membro da Comissão Científica de Fichte Online

http://www.europhilosophie-editions.eu/de/spip.php?mot7

 

Membro do Conselho Académico Editorial de Estudos sobre Fichte/Estudios sobre Fichte 

http://alef-por.blogspot.com/p/publicaciones.html

 

Membro do “Comité científico” de Ápeiron: Estudios de Filosofía

 

Membro da Comissão Científica da Colecção: Begriff und Konkretion

Beiträge zur Gegenwart der klassischen deutschen Philosophie (Duncker & Humblot · Berlin)

 

Membro da Comissão Científica do Congresso Fichte, Bologna 2012 (VIII. Kongress der Internationalen Fichte-Gesellschaft - Fichte und seine Zeit)

http://www.europhilosophie.eu/recherche/spip.php?article578

 

Membro da Comissão Científica do IIº Congresso da Secção Mediterrânea da Sociedade Internacional de Platonistas: O «Parménides» de Platão - 14-16 de junho de 2012, Coimbra.

http://www.platosociety.org/pdf/120616%20Coimbra.pdf



[1] Para o esclarecimento destas noções, muito em especial da noção de forma da finitude, veja-se a dissertação de doutoramento, Problemas fundamentais de fenomenologia da finitude, vol.I, 21-126.

[2] É a expressão de Kant nos Prolegómenos, A 204; sobre a noção de profundidade (profunditas, fundus animae, Grund der Seele, etc.), veja-se, por exemplo, WOLFF, Psychologia empirica, §339ss., BAUMGARTEN, Metaphysica,§511, MEIER, Metaphysik § 485, Vernunftlehre, § 159, SULZER, Kurzer Begriff aller Wissenschaften und andern Theilen der Gelehrsamkeit, § 205 e KANT, Anthropologie Parow, AA XXV, 252, Metaphysik Mrongovius, AA XXIX, 879; veja-se ainda H. ADLER, Fundus animae – der Grund der Seele. Zur Gnoseologie des Dunklen in der Aufklärung, Deutsche Vierteljahrschrift für Literatur und Geistesgeschichte 62 (1988), 197-220, IDEM, Die Prägnanz des Dunklen. Gnoseologie, Ästhetik. Geschichtsphilosophie bei J. G. Herder. Hamburg, Meiner, 1990, 39ss. e I. MÜLDER-BACH, Eine ‘neue Logik für den Liebhaber’. Herders Theorie der Plastik, in: H.-J. SCHINGS, (ed.), Der ganze Mensch. Anthropologie und Literatur im 18. Jahrhundert. DFG-Symposium 1992. Stuttgart, Metzler 1994, 341-371, em especial 344s., R. BRANDT, Kritischer Kommentar zu Kants Anthropologie in pragmatischer Hinsicht. Hamburg, Meiner, 1999, 149s., 173.

[3] É a fórmula a que Leibniz recorre na recensão de Locke, Philosophische Schriften  (Gerhardt) V, 25.

[4] Sobre a noção de “indiferentismo”, veja-se designadamente KANT, KrV., A X, Logik Jäsche, AA IX, 32, Wiener Logik, AA. XXIV, 804, Beobachtungen über das Gefühl des Schönen und Erhabenen AA II, 250, Anthropologie in pragmatischer Hinsicht, AA VII, 291, nota, Religion innerhalb der Grenzen, AA VI, 22, Vorlesungen über die Metaphysik (Pölitz), 16.

[5] Ou seja, a questão é a seguinte. É o campo de apresentação em que nos temos um campo constituído de tal forma que aquilo que nele se oferece não enfrenta nenhuma pressão ou exigência (oferece-se como apresentado aquilo que se oferece e, porque não há qualquer pressão, é aceite – pura e simplesmente por ser isso que se oferece)? Ou, pelo contrário, sobre aquilo que se apresenta recai uma pressão e exigênciapressão e exigência que isso é chamado a satisfazer, de tal modo que, quando a não satisfaz, desencadeia mobilização e procura de algo de outro? E, por outro lado, tem essa pressão ou exigência o carácter de uma pressão ou exigência de verdade (quer dizer, de algo que valha como correspondendo a um acompanhamento adequado da situação em que se está)? Ou é o nosso ponto de vista, mesmo que comporte outras formas de exigência, totalmente neutro ou indiferente em relação a este aspecto? Trata-se, numa palavra, do problema formulado por Nietzsche, em Menschliches, Allzumenschliches, 34: “Eine Frage scheint uns die Zunge zu beschweren und doch  nicht laut werden zu wollen: ob man bewusst in der Unwahrheit bleiben könne? (…)”.                                             

[6] Sobre a noção de metaphysica naturalis e a oposição metaphysica naturalis/metaphysica artificialis, veja-se, por exemplo, KrV.A X, B 21, A 843, Prolegomena, § 40, AA IV, 332, § 57, AA IV, 353, Refl.1667, AA XVI, 71, Refl. 5115,AA XVIII, 94, Metaphysik L1, AA XXVIII, 302, Metaphysik Volckmann, AA XVIII, 367s., 378, Metaphysik Mrongovius, AA XXIX, 751s.s, 757, 765, 767, 782, 937s., Metaphysik K 3, AA XXIX, 947s., 956s.

[7] O reconhecimento de que assim é acha-se dificultado por uma quantidade de equívocos a respeito do que efectivamente está dado e por fenómenos em virtude dos quais a própria crença que temos nas teses adoptadas cria a ilusão de estarem dados os estados-de-coisas a que são relativas – quando, de facto, o que temos efectivamente dado é omisso e neutro (totalmente omisso e neutro) a seu respeito. Por outro lado, um dos aspectos mais decisivos para a equacionação deste problema e para a compreensão do alcance da tese de Kant é perceber como as suas análises tentam pôr em evidência que a nossa perspectiva nunca é neutra nem a respeito daquilo a que chama metafísica geral, nem a respeito daquilo a que chama metafísica especial.